Estamos numa fase em que ser positivo é uma questão de sobrevivência. E se nada der certo, vamos tentar consertar e não fazer nada de errado, não é?

A atitude dos alunos da Instituição Evangélica de Novo Hamburgo (IENH), da região metropolitana de Porto Alegre, motivado pelos professores, é um reflexo do que muitas pessoas na nossa sociedade acreditam ser o caminho quando uma pessoa que sonha em ser dono e chefe não consegue alcançar seu objetivo.

Se o que sonhamos não dá certo é correto fazer outras tentativas, algumas das opções sugeridas pelos estudantes são muito dignas e realmente podem ajudar as pessoas a se sustentarem e mudarem suas histórias. Tudo depende de que maneira encaramos essas funções.

Na atual fase de crise que o país enfrenta, buscar novas oportunidades de emprego  tem feito com que muitas pessoas mudem de profissão e busquem novos caminhos para o seu sucesso.

Está mais do que na hora de perceber que para ser alguém bem sucedido é preciso muito trabalho e dedicação. E isso quer dizer, ter flexibilidade de trabalhar em ramos diferentes, ter entendimento de todas as posições dentro de um negócio. É dessa maneira que qualquer pessoa deveria chegar ao cargo de líder.

Sempre levei a sério a regra de quem não sabe fazer não sabe mandar. Todo mundo quer ser dono ou líder de algo, mas, poucos focam em aprender e desenvolver habilidades. Do que adianta ter um chefe com diplomas internacionais se não tem vivência do trabalho que lidera. Isso tende a criar processos injustos.

O programa Fantástico através do quadro o Chefe Secreto apresentou como é importante o olhar de uma boa liderança diante de seus colaboradores. Ser líder não é apenas um título, é ser exemplo de como trabalhar, de como servir.

Valorizar o faxineiro da empresa não é dizer que ele é importante, é bonificar. Da mesma maneira que os funcionários intelectuais são bonificados.

A política no Brasil deveria seguir a mesma conduta, apenas pessoas que tivessem experiência em cada ministério ou secretarias pudessem assumir posições de decisão. Do que adianta continuar sendo ocupada por pessoas que não tem consciência da necessidade dos cidadãos.

Quando um patrão olha para seu funcionário dedicado e não consegue ver que ele possa progredir em outras áreas do seu negócio ele está matando um talento. Ele está alimentando o ambiente de desigualdade.

A igualdade é o olhar empático, é acreditar no outro que é diferente. É aceitar que o outro possa ser como você e você como o outro. Se o olhar é sempre de distanciamento está gerando desigualdade e indiferença.

Toda situação na sociedade é exemplar, pode ser um exemplo de bom ou ruim, será responsabilidade de cada cidadão encarar e entender o momento. E buscar uma solução que colabore com a justiça.

Esse episódio com os estudantes é mais um exemplo de como o preconceito está velado na nossa sociedade. Esses estudantes ficaram em destaque, mas, essa forma de pensar e rotular as pessoas está na mente de outras muitas pessoas.

Basta pensar no nosso ambiente, imaginar uma pessoa com menos escolaridade que você e se colocar no lugar dessa pessoa. Imagine se você tiver que trabalhar no lugar dela. Imagine se essa pessoa se dedicasse e conseguisse se tornar seu chefe. Você consegue pensar nessa situação como natural?

Sou sincera, eu já passei situações na minha vida bem complicadas. E certa vez, fui numa central de empregos saber se tinha vaga e a moça me disse que só tinha vagas para serviços gerais. E eu questionei o que era serviços gerais, ela disse que eu não tinha cara de quem iria trabalhar nessa área. Ela me viu toda arrumada e não achou que eu poderia me sujeitar. É triste quando rotulamos quem pode exercer funções apenas pela imagem.

Não condeno esses estudantes porque eles ficaram em destaque, esses rótulos de bons e ruins estão inconscientes em nós. Infelizmente, faz parte da cultura que se formou no país.

É mais uma prova de que Educação, que é o direito de todos, não se compra. Se nada der certo e a opção não é for ser corrupto e debochado, devemos trabalhar com qualquer trabalho digno.

O Silvio Santos começou como camelô e criou um império bilionário.

A vida é um eterno aprendizado… para fortalecer a teoria de que a corrupção e a falta de ética nasce no meio do povo, aparecem situações como dessas instituições de educação.

Beijos de luz,
Michelle Cruz
Se a luz não iluminar seu caminho que, pelo menos, fulmine as ideias ruins.

 

Imagem: Alunos do Marista