Estava lendo o artigo Luciana Gimenez: “Está rolando uma bagunça aqui na senzala, é?”, a apresentadora está sendo acusada de racismo, pela forma que abordou os funcionários dela.

Deram destaque a uma fala que não se encaixa com a nossa história… “Senzala é violência, é dor, é o território específico da desumanização que por quatro séculos nós negros sofremos nesse país, diz Coletivo Sistema Negro”.

Racismo.png

Queremos justiça, então, temos que ser justos, né? É preciso corrigir essa frase “os negros escravizados sofreram nesse país e hoje sofremos as consequências, diz Coletivo Sistema Negro”, o final da frase deveria ser assim. Não podemos continuar acreditando que em ambiente de injustiça só existe erro de um lado. As vezes, o outro lado erra também. E os erros podem retardar as soluções. É por esse motivo que deve haver diálogo.

Os negros foram considerados escravo? Sim. Eles gostavam disso? Não! Então, é correto dizer eles foram escravizados. Antigamente, os escravizados eram levados para o tronco, eram chicoteados e humilhados. Isso foi horrível! Eles tiveram como lutar contra a pressão dos brancos? Era difícil. Mas, com o passar do tempo os negros começaram a lutar, criaram os quilombos e foram sobrevivendo. Até que veio o dito 13 de maio, a falsa libertação. Porque poucos direitos foram dados, o que podemos perceber até hoje a injustiça. Os negros escravizados deram início a luta para que hoje a raça negra tivesse esse diálogo a conta gotas que temos.

Não dá pra assumir que somos escravizados até hoje, o nós não se encaixa a atual situação em que vivemos. Ainda estamos vivendo a consequência da escravidão? Sim. Porque não existe total igualdade, ainda estamos falando do assunto. É triste falar dessa maneira, mas, evoluiu. Do que era está melhor. Só que não está bom e nem justo. É daqui pra frente que nos encaixamos e precisamos agir.

Por isso, continuarei postando, falando do assunto e buscando realizar meus objetivos. E quando me barrarem por preconceito, vou questionar e continuar tentando. Uns vão chamar de teimosia e eu de determinação. É o que todo mundo que se sente injustiçado deveria fazer, gastar até a última gota do próprio sangue no que acredita. É o que toda pessoa que venceu grandes obstáculos fez. Não ficou ouvindo reclamarem, decidiu fazer algo pra melhorar.

Reclamar da apresentadora é desnecessário, vamos apenas falar mal dela. Se no nosso discurso demonstramos não saber sobre a história, como requer cobrar de quem acha que nasceu com direitos de ser melhor que os outros? Impossível querer mudar as pessoas pela força, só no diálogo. Temos que agir.

E a ação, na minha opinião, é questionar as emissoras de TV aberta do país, cadê o projeto de programa diário ou semanal com a apresentação de um negro? Assim teremos alguém que não vai falar besteiras sobre os negros e teremos um ícone da raça. O povo quer alguém pra se identificar, então, vamos gastar tempo buscando a solução e não reclamando de quem não vai mudar tão fácil.

Os movimentos negros precisam se unir por essa causa, o poder da mídia é uma das formas para combater o preconceito. Já que todo assunto que bomba no twitter os jornais fazem virar o assunto do momento, esse tema é mais do que necessário. #ÍconeNegroNaTV pra ontem! Esse país democrático precisa ter ações coordenadas pedindo direitos. Ou o povo não quer? Isso é uma ideia minha isolada. Se é a vontade do povo precisamos nos unir.

Tem um valor muito grande os programas que dão abertura pra falar da questão do racismo, mas isso não invalida a necessidade de ter pessoas negras protagonizando nas telas. Ser vítima é diferente de representar a vítima. E isso define e muda tudo.

Justiça se faz agindo, abrindo diálogo e oportunidades. Cadê os programas no canal aberto que represente a diversidade brasileira. O programa saia justa tem um formato muito bom, 4 mulheres diferentes que juntas debates diversos temas, só que é n canal fechado, né? Não vale!

Beijos de luz,
Michelle Cruz
Se a luz não iluminar o seu cainho que, pelo menos, fulmine as ideias ruins.