Semana agitada com o tema assédio. Sou do time em que as mulheres precisam se defender e se unir. “Mexeu com uma, mexeu com todas”. Até que os indivíduos machistas entendam que existem maneiras adequadas para tratar uma mulher. Será preciso uma proteger a outra para romper com os maus costumes.

O caso da ex-figurinista da Globo, assediada pelo ator José Mayer, foi ridículo. Um homem casado, que tem filha, nunca deve ter imaginado suas mulheres sendo abordadas de forma vulgar, né? Onde andarás a empatia? Foi pro saco!

Na carta aberta José Mayer me assediou, a figurinista narrou o que ocorreu. Ela buscou todas as formas que encontrou para ter justiça e não conseguiu nenhum apoio.  O que fez com que ela decidisse por publicar a história na internet.

Situação desagradável! A mulher além de ser assediada, aguentar o sem vergonhice do ator, ainda vai lidar com a busca de uma nova vaga de emprego e a exposição na mídia.

É muita humilhação chegar nessa situação.

Muitas coisas nesse país precisa mudar e uma delas é a questão das empresas se responsabilizarem pelos atos de seus funcionários. Para evitar o alarde que causa esse tipo de situação não se assume logo o erro do funcionário com mais importância. E enrolam quem é mais fraco e sem muitas chances de processar. Se a responsabilidade fosse direto do individuo os amigos de trabalho poderiam se expor em ajuda-la sem ficar com medo de represaria da empresa/ empregador.

O que aconteceu com a figurinista, acontece perto de nós também. A justiça nesse país começa em nós, se não apoiamos as pessoas a nossa volta, quem vai apoiar? Dá medo de perder o emprego, sim, dá medo. Mas, a questão é… hoje é o outro a passar pela humilhação e amanhã pode ser eu ou você, alguém muito querida ligada a nós. Como lidar com isso? Precisamos pensar em soluções para agir antes do problema bater em nossa porta e ajudar quem precisa para manter nosso ambiente saudável, em equilíbrio.

O ator vai ser afastado da sua posição de destaque e a mulher assediada já foi dispensada do trabalho. Isso é o exemplo de que a justiça é algo bem relativo, bem injusto.

Como fica a vida dessa mulher? A questão de exposição social, o retorno a ter uma vida normal, quem vai garantir essa vida normal pra ela?

José Mayer assumiu seu erro e pediu desculpas é o mínimo que ele pode fazer no momento. Mas, que provavelmente, em alguns anos será esquecido e voltará a ser o galã da Globo novamente. Ou vai acontecer o que aconteceu com o Goleiro Bruno, acusado de ser o mandante do assassinato da Eliza Samudio. Que mesmo recebendo o direito de liberdade, foi extremamente criticado. E dividiu a opinião pública com relação a sua contratação num time de futebol.

Um erro , um ato injusto, merece perdão? Quais são as consequências de um erro ou quando pedimos perdão não tem consequências?

Parece que para os homens, para os que tem dinheiro, é mais fácil retornar a vida normal. A vida é assim mesmo? Injustiças da vida?

A luta pela igualdade não é apenas uma questão de empoderar a mulher, de dar poder as mulheres, é de justiça e igualdade de direitos. É de desconstruir uma cultura que favorece homens mesmo estando errados e condena as mulheres a voltarem a lutar por sua paz como se nada tivesse acontecido. Quando o “céu” que ela vivia foi feito de inferno porque um homem não sabe controlar seus instintos.

E outro destaque para o tema  assédio vai para o BBB 17, que no caso, não dá nem para se comparar com a situação da figurinista. E que tem como pano de fundo a Rede Globo.

As confusões no programa se dão pela loucura dos participantes, o posicionamento de quem assiste e a produção do programa. O fato dos participantes estarem confinados, sem informação, numa disputa, torna o clima tenso. Todo mundo quer ganhar. A produção do programa se dedica em deixar o programa mais desafiador, criando jogos diversos entre cansar o físico e psicológico dos brothers. É nesse cenário que o melhor e o pior das pessoas vem a tona, a gente percebe do que o ser humano é feito e capaz. Não existe rótulo bom ou ruim, apenas a convivência com a essência é que importa e nos mostra o que é real e sincero.

Na mesma semana a Globo está envolvida com o tema assédio e não é informando nos telejornais, eles fazem parte da polêmica. Quando não ajudamos a combater os problemas, começamos a fazer parte deles, como causadores ou vítimas.

A lição que fica pra mim é que… se calar diante do assédio fortalece o ser cretino que humilha e agride. Que fama de bom rótulo não garante bom conteúdo. Precisamos conviver mais uns com outros e ajudar quem está sofrendo a nossa volta, mesmo que, momentaneamente, soframos com as consequências.

A ética e a moral precisam ser presadas, seguidas com severidade e os bons costumes… os bons costumes precisam ser reavaliados. Precisamos reconstruir a imagem da cultura do nosso país e nos moldar a novos e justos valores para nós.

Fama e dinheiro não podem mais encobrir mal caratismo!