Eu nunca imaginei que em meio a tanta reclamação, dificuldades financeiras eu conseguiria encontrar um caminho de solução para as minhas dificuldades, afinal, a palavra do momento é crise.

Imagine, uma mulher com três filhos, desempregada, divorciada, com dois cachorros e um gato em casa. Imaginou? Esse é o meu cenário! Há alguns meses, minha vida era tranquila, tudo parecia andar bem, só que depois que fiquei desempregada tudo desabou na minha casa.

E junto a essa fase que já estava pesada descobri muitas coisas, comecei a valorizar as poucas amizades que permanecera.

Eu tinha o seguro desemprego ainda, tinha uma poupança, algumas formas de suportar a fase que estávamos enfrentando. Só que eu estava preocupada com o que iria acontecer depois que acabasse as reservas, porque só gastar e não ter uma entrada era óbvio que eu teria problemas.

Nos primeiros meses, eu fiquei com dó de privar as crianças de seus gostos e sempre comprava as coisas que eles queriam. As bolachas, iogurtes, salgadinhos e todas as guloseimas que se podia imaginar. Era a minha forma de tentar agradar naquela fase dura que estávamos passando. Eu não tinha condições de levá-los ao cinema, pra passear em parques, sempre tinha que pensar nos gastos. E era mais viável ficar em casa, assistindo filmes e comendo bobeiras.

Mas, essa maneira de querer fazer o bem, fiz bem mal. Não se conserta enganando com outro coisas fúteis e bobeias. Depois de dois meses dessa dieta livre para comer tudo o que queriam, meus filhos estavam obesos, com problemas de saúde.

Eu fiquei desesperada, não sabia o que fazer, não poderia pagar academia para os meus filhos, não estava nos meus planos ter gastos com medicamentos para eles. Aquela situação foi tão difícil pra mim que eu fiquei calada pro alguns dias. Eu estava em choque. Não acreditava  que a minha maneira de ajudá-los causaria tantos problemas.

Várias noites, entrei no meu quarto chorando e questionando a Deus o que eu poderia fazer para melhor a minha situação. Eu precisava de uma luz, encontrar uma maneira de organizar a minha vida. Eu chorava tanto que eu caia no sono de tanto chorar.

Após muitas noites mal dormidas, resolvi enfrentar a situação. Enfrentar as crianças, dizer para elas que apesar das dificuldades e privações que estávamos passando teríamos que mudar algumas coisas. Tínhamos que mudar nossos hábitos. Melhorar a nossa alimentação, nosso interesse em fazer exercícios físicos. A parte mais difícil da minha situação era eu ter coragem de enfrentar as crianças e acompanha-los nas mudanças.

E buscando receitas para  preparar uma das nossas refeições, mais saudável, encontrei a receita de doce de banana da Vovó (veja a receita no final do texto). O que me deu uma saudade imensa dela. E me fez lembrar as vezes que eu chegava correndo na casa dela e gritava “Saudade doCÊ”. E ela rindo me abraçava e repetia “Saudade doCÊ, minha menina!”. E me levava para cozinha pra comer todas as delícias que ela tinha preparado.

Com a fase difícil, precisando economizar, o doce de banana caiu perfeitamente. A banana é uma fruta barata e bem naquela semana tinha meia dúzia de bananas bem maduras em casa. E pra variar, ninguém queria comer. As crianças diziam que a banana madura estava estragada e, por várias vezes, joguei no lixo sem saber o que fazer.

Fiz o doce e servi para as crianças, em potinhos plásticos de café, com colherzinha de bichinhos. Contei a história da vovó, de como era gostoso chegar na casa dela e matar a “saudade doCÊ”. Eles ficaram vidrados enquanto eu contava a história. E adoraram o doce de banana.

Com o tempo, o doce de banana virou a geleia predileta deles. E sempre que vem alguém em casa pra nos visitar eles conta a história da vovó. E todos querem comer o doce de banana da vovó.

E como a história da vovó começou a contagiar, todos estavam gostando do doce de banana. E uma amiga pediu pra que eu fizesse pra ela levar pra casa. E essa amiga se tornou minha primeira cliente.

Ela começou a contar para outras pessoas, as encomendas aumentaram. E a receita para melhorar o hábito alimentar dos meus pimpolhos, trouxe muitos outros benefícios. Resgatamos os bons costumes da vovó, melhoramos nosso relacionamento em casa, sentamos mais vezes na mesa juntos pra fazer as refeições e consegui voltar ao mercado de trabalho. E agora, com o meu próprio negócio.

Quem poderia imaginar que tanta dor poderia me trazer tanta alegria? Há males que vem pra bem… hoje ! E faz muito bem!

 

Receita do Doce de Banana

6 banana grandes nanica maduras (por volta de 1 kg)
1 xícara de açúcar
1 canela em pau
1 colher de sobremesa de canela
2 laranjas (usar o suco delas)

Preparo:
Descasque as bananas e amasse-as. Coloque o açúcar na panela com a canela em pau, deixar caramelizar em fogo baixo. Mexa para não queimar com uma colher de pau (sempre tenha uma colher de pau separada para fazer doces) e mexa com uma colher para não queimar. Assim que caramelizar, acrescente as bananas amassadas e a canela em pó. E por último o suco de laranja. E vá mexendo até que o doce fique firme. Leva aproximadamente 20 a 30 minutos para ficar pronto.