A saga para mudar o mundo continua, a busca pelo mundo melhor é intensa. E para isso é preciso a aparição de protagonistas que liderem e sugiram caminhos positivos para as mudanças, que apresentem sugestões de como desenvolver atividades que visem o crescimento pessoal e profissional das pessoas. O cenário social é conflituoso, repleto de necessidades e realidades ambíguas.

Todo cenário social crítico é a chance de nascer um Idealizador. Porém, o que mais se tem visto na nossa sociedade são os Idealistas. Pessoas que tem conhecimento da situação crítica, discutem o assunto, sugerem opções de melhorias. As vezes, ficam indignados com os acontecimentos, mas encerram suas participações diante da problemática por não serem vítimas diretas das situações conflitantes e acabam dizendo: “alguém tem que ajudar”. Como se não tivessem que agir junto com quem vivencia os problemas diariamente.

A diferença do Idealista e do Idealizador é a ação. O Idealista não para de fazer listas de ideias do que poderia ser bom realizar. E o Idealizador cria a ideia, age em prol de melhorias. Nossa sociedade está precisando de mais Idealizadores.

Um ótimo exemplo de Idealizador é o reverendo Jack Smith, um norte-americano, que residia e trabalhava como missionário na Etiópia, na década de 60, junto com a sua família. Ele criou um dos trabalhos sociais mais exemplares no mundo.

O reverendo e sua esposa, a senhora Evangel e o filho Philip sempre estiveram ligados a missão de ajudar pessoas carentes. Durante o período de trabalho missionário na Etiópia, a situação mais crítica eram com as crianças menores de 10 anos. A família Smith as acolhia em seu quintal oferecendo ajuda básica. Com o tempo, o espaço acolhedor se tornou pequeno para atender o número de crianças necessitadas que começaram a frequentar a casa. E diante dessa dificuldade o reverendo decidiu buscar formas para a criação de uma instituição que oferecesse condições para as crianças terem uma formação, com chance de serem independentes.

O projeto que foi iniciado no fundo do quintal do reverendo Smith, hoje, é a Hope Enterprize. Uma instituição que oferece ótimas condições às crianças etíopes, dando a elas a chance de terem um futuro justo, com condições de formarem suas próprias famílias. E com o crescimento do projeto e o bom desenvolvimento das atividades a Hope Enterprize se tornou uma instituição auto-sustentável com apoio do Governo da Etiópia.

Jack Smith como um idealizador-visionário nato se mudou para o Brasil, na década de 90, com o objetivo de implantar o mesmo projeto da Etiópia, após ter informações através da mídia internacional, que estava ocorrendo espancamentos e mortes de crianças de rua. O projeto no Brasil foi fundado como Esperança Sem Limites (Hope Unlimited). E o primeiro passo foi a abertura da Cidade dos Meninos, em Campinas/SP. Após alguns anos, em 2000, foi fundado o segundo abrigo, a Montanha da Esperança, em Cariacica/ES. Que segue os mesmos moldes do projeto idealizado na Etiópia.

A Esperança Sem Limites, ao longo dos anos, tem colaborado para o desenvolvimento pessoal e profissional de diversos meninos e meninas, na faixa dos 10 aos 18 anos. E colabora, também, com jovens que saem do abrigo, após completar 18 anos, os que não voltam a morar com seus familiares. Todo esse trabalho é possível pois existe uma equipe de colaboradores, voluntários e parceiros que doam tempo e dinheiro para manter as atividades em dia. É um trabalho de formiguinha, que requer a interação de muitas pessoas e que está sempre aberta para receber novos voluntários.

Após conhecer a história da família Smith, fica a esperança de que os Idealistas mundo a fora possam se tornar Idealizadores, que possam agir na busca de soluções para os conflitos sociais. Na busca de um novo mundo, mais justo e de igualitário.

E aos Idealizadores, continuem acreditado em seus projetos; tenham Esperança Sem Limites! Enquanto houver crise, dilemas a serem resolvidos, haverão sempre possibilidades a serem estudadas e descobertas. E novos projetos a serem fundados e mais pessoas a serem empoderadas.

 

 

Texto primeiramente publicado na página INconvencional, no site Obvious – http://obviousmag.org/inconvencional/2016/06/esperanca-sem-limites.html