Eu gostaria de abraçar o mundo, mas não consigo!
Sou limitada, incapaz de fazer tudo, por todos.
Não sou Cristo!
Vivo o que sinto, transpareço o que falo, sou o que sou, fruto do meu imaginário.
E não o seu ‘boneco’ inventado.
Estou vivendo nos meus limites, nas minhas verdades, na minha realidade.
Isso não é convite pra saber quem sou, é um desafio pra você dizer quem é.