Dando o pontapé nos meus posts da categoria TURISTANDO. Vou contar da minha decisão de viajar para França, a minha primeira experiência internacional.

Viajar é muito bom! Se eu pudesse eu viajaria sempre!

Bom, eu trabalhei por 5 anos da minha vida na área de turismo. E um dos motivos foi pra ficar mais informada e ter facilidades para viajar. E foi uma das melhores experiências da minha vida.

E hoje, vou contar da minha primeira viagem internacional, não tenho uma lista imensa de viagens internacionais. Até porque foram 2 viagens, em 2010 e 2011.

A primeira viagem foi para França e de última hora conheci uma cidade da Espanha.

Eu sempre sonhei em fazer uma viagem internacional. Quando eu tinha 15 anos eu queria conhecer a Disney, nos Estados Unidos. Infelizmente, não foi possível!

E no final de 2010, eu estava trabalhando no aeroporto e uma amiga que casou com francês, estava passando férias no Brasil. Fazia muito tempo que eu não há encontrava. E ela me (re)convidou para passar férias com eles. Eu adorei o convite, mas a realidade financeira não estava colaborando muito, sabe?

Eu fiquei bem animada com a chance de ir pra França. E quando eu pensava no quanto iria gastar, acabava desistindo!

Em fevereiro de 2010, resolvi parar de pensar e comecei a agir. Decidi colocar no papel quanto eu gastaria para ir. Nada melhor do que colocar na ponta do lápis e ver realmente o que eu poderia fazer.

E de repente percebi que o “mostro da conta gigantesca” estava sendo eliminado. Afinal, eu estava trabalhando em uma cia área e tinha desconto para comprar a passagem. Eu teria onde ficar, na casa da amiga, então não teria gasto com hospedagem.

Quando vi que as coisas eram possíveis, liguei pra ela e confirmei se poderia ir em maio. E ela confirmou! Tudo caminhando perfeitamente!

E parei pra pensar nos detalhes. Eles moram em Lyon, minha chegada foi em Paris. Tive de seguir de trem para Lyon. E… eu não falo francês, como resolver isso? Estava sozinha! Rolou um momento de desespero. AAAAAAAAhhhhhhh…

A bondosa da minha amiga me disse que não era motivo para me apavorar e que me ensinaria o básico do francês, pra que eu fosse educada. Eu respirei fundo e comecei a treinar.

“Meu nome é Michelle – Je m’appelle Michelle
Eu sou brasileira – Je suis brésilienne
Bom dia/ Boa tarde – Bonjour
Eu não sei falar francês – Je ne parle pas français
Você fala inglês? – Vous parlez anglais?
Obrigada – Merci”

Passei quase três meses repetindo essas frases, que chegou no dia de ir minha pronúncia estava ótima. O único detalhe, ninguém poderia falar nada a mais do que aquilo em francês comigo. Eu não entendia! hehehehehe…

E lá fui eu, no começo do mês de maio, embarcar para a cidade luz. Cheia de curiosidade. E minha pastinha com todos os documentos para não fazer feio.

DSC01061
Plataforma de trem no aeroporto Charles De Gaulle, vazia!

 

Por que será que a plataforma está vazia? Eu cheguei adianta na plataforma. E tem um grande detalhe, as pessoas normalmente ficam em frente a um painel enorme que mostra os horários dos trens e as plataformas que passam. Essa área é como um saguão de aeroporto. No meu bilhete já tinha a plataforma que deveria passar. Só que é aconselhável esperar o painel mostrar a confirmação do trem. Eu como era uma pessoa desinformada fiquei aguardando sozinha e achando que estava no lugar errado até que o trem apareceu! E graças a Deus, o trem não teve alteração de plataforma. Aventuras… hehehehe…

Depois de entrar no trem, comecei a pensar onde deveria descer. Eu não sabia que a última estação era Lyon, então passei duas horas acordadíssima! Morrendo de medo de não descer na estação certa.

E foi um alívio quando cheguei e encontrei meus amigos. Ufa!

DSC01071
Um dos melhores momentos, o primeiro brinde na casa dos amigos em Lyon. Santé! ❤

Bom… hoje contei a primeira parte da minha aventura. Nos próximos posts vou contar de outras experiências. Do meu passeio na área mais encantadora de Lyon, a “Antiga Lyon”. O terceiro post falando sobre o museu de Miniaturas e cenários de cinema, que é inacreditável a perfeição dos objetos. E no último post vou falar de “oui, oui Paris!”

Até mais!

Beijos de luz,
Michelle Cruz